AGAMENON #0.4

Estradas? Para onde vamos não precisamos de estradas. A clássica frase do filme De volta para o futuro é a ponte para uma verdadeira viagem no tempo. De volta às décadas de 1980 e 1990, período da infância e início de adolescência, repleto de referências, para os integrantes do programa. No lugar do Delorean, um “balão mágico” conduz essa saudosa viagem e você, a partir de agora, também vai lembrar, rir, se emocionar, conhecer e analisar comportamentos, linguagens da TV, forma de educação e as mudanças da situação econômica do país. Apertem os cintos (o piloto sumiu?)… e boa viagem.

Temas do programa:
  • O Balão Mágico e uma “febre” que só durou três anos
  • Xou da Xuxa e etc. } Havia erotização nos programas infantis dos anos 1980?
  • Trapalhões: Da genialidade às piadas preconceituosas. Eles seriam aceitos hoje em dia?
  • A patrulha do “politicamente correto” de hoje é uma evolução cultural ou um exagero?
  • Relatos de “bullying” nos tempos em que não existia a palavra “bullying”. Valia (quase) tudo…
  • Qual a maior diferença da infância de duas ou três décadas atrás para a de hoje?
  • O aumento da violência e o desaparecimento das brincadeiras de rua
  • A geração refém da tecnologia
  • O acesso mais amplo aos bens de consumo e a mudança econômica do país
  • As primeiras Playboys e a passagem para a adolescência
  • Existe algo que você fazia na infância e segue na sua rotina até hoje?
  • As dicas de filmes, séries, discos e games daquela época que ainda merecem ser consumidos
  • Denes Alves

    Rapaz… Cadê os links comentados no programa ? Ótimo programa…

  • Rodrigo Sales

    Vivo em Aracaju há mais de 30 anos. Até 1983 morei em Olinda, lá em Jardim Atlântico num edifício perto da Celpe (ou seria Telpe?). Na Fagundes Varela tinha a Panjá (Panificadora Jardim Atlântico) na qual toda tarde comprava pão com minha mãe e irmã e, às vezes, ganhava um picolé de brigadeiro da Kibon. Também tomei banho de praia em Olinda e lembro q não era legal. Boas recordações vcs me trouxeram.
    Parabéns pelo excelente trabalho.

    Um abraço de Aracaju ( localizada ao sul de PE do sul)

    • Caio Coisa

      A Panjá existe até hoje.

  • Caio Coisa

    Chamar a pessoa pelo nome da mãe é um clássico da infância.
    Também tinha a greia de chamar de ‘cunhado’ aqueles que tinha a irmã bonita.
    Vale lembrar também o já citado por Fred em um programa anterior, o ‘tirar o mel’, uma das brincadeiras mais tabacudas da infância.
    Joguei muito bola na rua com barra de chinelo e futebol de botão, mas o jogo que eu mais joguei com os caras da rua foi o Futebol Gulliver. Era campeonato quase todo dia. Tenho esse jogo até hoje.

    “Gererê gererê RDS”